O ecoturismo é turismo sustentável .

Esta semana quisemos dedicar o tema ao Ecoturismo e o Turismo sustentável.

Em 2002 a OMT ( organização mundial do turismo) referia-se a este segmento de mercado do turismo como,… a observação e apreciação da natureza, de forma a contribuir para a sua perseveração e minimizar os impactos negativos no meio ambiental natural e sócio-cultural onde se desenvolve.
Mas melhor que escrever um novo artigo sobre este interessante assunto é relembrar o que já sobre ele se escreveu e relembrar o “Acordo de Mohonk”.

Em 2000, um evento internacional realizado no período de 17 a 19 de Novembro, em New Paltz, Estados Unidos na Mohonk Mountain House, convocado pelo Institute for Policy Studies e promovido pela Fundação Ford, reuniu participantes de 20 países, representando a maioria dos principais programas de certificação em turismo sustentável e ecoturismo a nível global, regional e nacional.

No evento foram discutidos e nivelados os princípios e componentes que devem fazer parte de todo programa sólido de certificação. Os participantes reconheceram que os programas de certificação de turismo necessitam ser ajustados às características geográficas locais e aos respectivos segmentos turísticos, definindo os componentes universais que devem ser a largados a todo programa de Turismo Sustentável e de Ecoturismo.

Importante: Todo processo de certificação em ecoturismo deve levar em conta os padrões e princípios de turismo sustentável, preferencialmente para as boas práticas, além dos princípios.

Como, boas práticas

“Melhores Práticas são formas ideais para executar um processo ou operação. São os meios pelos quais organizações e empresas líderes alcançam alto desempenho e também servem como metas para organizações que almejam atingir níveis de excelência.”

“Boas Práticas são aquelas que, visando atingir as Melhores Práticas, estabelecem os requisitos mínimos para a certificação.”

Por exemplo, atender a legislação vigente e aplicável à sua atividade foco, ou seja, uma operadora de turismo deve estar cadastrada no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas – CNPJ. Ou uma pousada, em ambiente natural ou rural, deve ter licença ambiental.

Não existe um único processo de “melhores práticas” e não há nenhum conjunto de “melhores práticas” que funcione para todos os lugares o tempo todo……”

Deve-se considerar que empresas ou organizações têm suas próprias metas, oportunidades e restrições. Além disso, “Melhores Práticas” dependem da fase de desenvolvimento em que cada organização se encontra e essas práticas mudam à medida que a organização avança na busca da qualidade e excelência.

Turismo Sustentável

“Turismo Sustentável é aquele que busca minimizar os impactos ambientais e sócio-culturais, ao mesmo tempo que promove benefícios económicos para as comunidades locais e destinos (regiões e países).”

Princípios do Turismo Sustentável
Todo processo de certificação em turismo sustentável deve levar em conta, onde apropriado, os seguintes aspectos e princípios que a empresa turística deverá observar.

Aspectos Gerais (Operacionais)

– estar comprometida com o manejo ambiental
– promover a promoção e venda de produtos responsáveis e autênticos que atendam a expectativas realistas
– promover a retro alimentação de sua clientela
– saber avaliar eventuais impactos negativos sociais, culturais, ambientais e econômicos, inclusive estabelecendo estratégias para manejo e mitigação
– seus funcionários deverão estar capacitados, educados, responsáveis e ter conhecimento e consciência sobre manejos ambiental, social e cultural
– ter mecanismos para monitorizar e relatar seu desempenho ambiental

Aspectos Ambientais

– controlar a emissão de ruídos e gases
– estar adequadamente implantada com relação ao ambiente natural
– evitar danos ao local ao implementar o paisagismo
– promover a recuperação do ambiente natural relativamente à situação original
– evitar impactos visuais e luminosos
– fazer uso sustentável de materiais e insumos – recicláveis e reciclados – produzidos localmente
– minimizar a produção de dejectos e assegurar sua adequada disposição
– minimizar os impactos ambientais de sua operação
– promover a conservação da biodiversidade e a integridade dos ecossistemas
– promover a redução e o uso sustentável de água
– promover a redução e o uso sustentável de energia
– promover o adequado tratamento e disposição de águas residuais
– promover o manejo adequado da drenagem, solo e águas pluviais

Aspectos Sócio-culturais

– adquirir, utilizar e manter a posse de terras de forma apropriada
– possuir mecanismos para assegurar o reconhecimento dos direitos e aspirações de comunidades  locais
– possuir medidas para proteger a integridade da estrutura social das comunidades locais
– promover impactos positivos (benefícios) na estrutura social, cultural e económica local (a níveis local e nacional)

Aspectos Económicos

– estabelecer mecanismos de forma a assegurar que as relações trabalhistas e as práticas industriais sejam justas e estejam em conformidade com a legislação
– estabelecer mecanismos para minimizar impactos económicos negativos e maximizar benefícios económicos para a comunidade
– fomentar contribuições para a manutenção do desenvolvimento da infra-estrutura comunitária
– utilizar-se de práticas éticas comerciais

Ecoturismo

“O Ecoturismo é Turismo Sustentável em áreas naturais, que beneficia o meio ambiente e as comunidades visitadas e que promove o aprendizado, respeito e consciência sobre aspectos ambientais e culturais.”

Princípios do Ecoturismo

Além dos critérios e princípios do Turismo Sustentável, o Ecoturismo deverá:

– promover as experiências pessoais com a natureza para um melhor aprendizado e respeito
– interpretar e consciencializar sobre os aspectos naturais e sócio-culturais locais
– contribuir activamente para a conservação de áreas naturais e da biodiversidade
– promover benefícios económicos, sociais e culturais para as comunidades locais
– promover a participação das comunidades no turismo onde for apropriado
(por exemplo criando postos de trabalho e oportunidade de negócios)
– fazer com que a infra-estrutura, atractivos e programas sejam harmónicos e compatíveis com o entorno local
– valorizar as culturas locais e tradicionais, minimizando eventuais impactos negativos

fonte: mosaicobocaima

Share This
%d bloggers like this: